Selecione a página

Sessão tumultuada durante 7 horas, vereadores vão receber R$ 6.550 em 2013

Valor do subsídio foi definido por 7 votos contra 5, vereador Serginho Gonçalves discutiu com o presidente do Reage Araraquara, Marcelo Bonholi

José A. C. Silva

A sessão de ontem foi pesada, os vereadores se digladiaram o tempo todo, não tendo mais uma vez consenso, nunca na história da Câmara Municipal de Araraquara tanta coisa veio a tona. Os vereadores que propuseram o congelamento do salário no valor de R$ 5.043, acusaram o presidente do legislativo. “Tudo isto é uma grande falácia, o Boi fala uma coisa e faz outra, antes de começar a sessão em sua sala disse que ia apoiar o valor menor, agora fala em outro valor ou seja em R$ 6.650, apoiando outros 7 vereadores, eu não vou pela opinião de ninguém, o meu pensamento foi registrado anteriormente nas paginas do O Imparcial”, disse Maranata.

O líder do governo João Farias comentou “este momento é extremamente difícil, vocês sabem que não sou uma pessoa de retroceder, votei nos R$ 8.000, e mediante as 12 mil assinaturas colhidas pelo Reage Araraquara coloquei o meu parecer que se houvesse um consenso aceitaria abaixar o salário, o que não aconteceu, opinei com outros vereadores de apresentar o congelamento do pró-labori, porque está mais perto daquilo que a população quer. Hoje para a maioria da população político é tudo ladrão e corrupto, se fosse perguntar para as pessoas quanto o vereador deveria ganhar falariam nada”. Boi disse que não vota, “sempre disse que se 7 vereadores chegassem a um valor seria solidário para por fim na discussão, falei sim que optaria pelo valor menor, mas política é convencimento e ação”.

Num dado momento da sessão, Aluízio Braz verbalizou agora é a vez da turma do Sarney que querem o congelamento, virando o plenário um verdadeiro campo de batalha. Napeloso criticou duramente o presidente da Casa, “nunca vi tamanha falta de respeito, fui várias vezes presidente da Casa, isto que esta acontecendo é uma bagunça e falta de habilidade por parte do presidente”. Boi foi criticado por fazer piadinha, desleal com aqueles que sempre o apoiaram. A plenária foi interrompida e na volta outra revolução, Boi comentou, “aqui na porta aqueles que estavam querendo o congelamento, me pediram para que eu opta-se por R$ 6.950, porque tinha mais um vereador que aceitaria este valor, isto sim é piada não chega toda pressão que sofri, vocês são mesmo meus amigos”.

João Farias falou várias vezes, “já que vocês querem fazer a vontade do Reage e da população vamos diminuir o número de cadeiras, votando hoje”. O vereador Nascimento comentou que teria que ter outra reunião para acertar o que vem acontecendo na Câmara. “Por que aqueles que querem o congelamento não devolvem o excedente caso ganhem?”, comentou. O vereador Ronaldo Napeloso rebateu, “no outro aumento que foi dado aos vereadores estava como presidente da Casa, e foi prometido pelos vereadores do PT que devolveriam o reajuste aprovado, não vi nenhum recibo de devolução até hoje”.

Num dado momento da reunião, Serginho disse brincando “vou aprovar um salário de R$ 20.000”, o que gerou descontentamento no líder do Reage Araraquara, Marcelo, “ Serginho vou gravar o que você está falando”. Ficando mais acalorada a discussão, tendo palavras de baixo calão e por pouco não se agrediram fisicamente.

Este será o valor de R$ 6.650 que os 18 vereadores que tomarem em 1º de janeiro de 2013 receberão durante os quatro anos que terão de mandato na Câmara Municipal de Araraquara. O novo subsídio foi aprovado na sessão ordinária de ontem, 5 de junho, por 7 votos contra 5.

Mais uma vez, os parlamentares chegaram divididos quanto ao valor do subsídio. Eles aprovaram projeto da Mesa Diretora que determinava R$ 6,950. A aprovação deste projeto era necessária para garantir que houvesse a redução da remuneração, caso contrário prevaleceria o subsídio de R$ 8 mil, aprovado em 17 de abril.

O projeto da Mesa foi aprovado por unanimidade. Mas ainda faltava consenso ou, no mínimo, maioria de votos para a definição de um valor. Para se ter uma ideia da divisão entre os vereadores, foram apresentadas três emendas com valores diferentes: R$ 6.950, R$ 6,550 e R$ 5.043. A segunda, de autoria de Luís Cláudio Lapena Barreto, Dr. Lapena (PSDB), acabou retirada.

Defendiam o valor de R$ 5.043 os vereadores João Farias (PRB), Ronaldo Napeloso (DEM), Paulo Maranata (PR), Serginho Gonçalves (PMDB) e José Carlos Porsani (PP).

A emenda propondo subsídio de R$ 6.550 foi assinada por Aluísio Braz, Boi (PMDB); Edio Lopes (PT); Elias Chediek Neto (PMDB); Juliana Damus (PP); Márcia Lia (PT); Carlos Nascimento (PT); e, Tenente Santana (PSDB). Dr. Lapena passou a apoiar os R$ 6.550.

A emenda que congelava o subsídio no valor de R$ 5.043 recebeu apenas os votos dos vereadores que a assinaram. Assim como, a emenda aprovada, de R$ 6.550, teve os

votos dos autores, mais o de Dr. Lapena. Os demais vereadores comentaram que não houve vencedores ou perdedores neste episódio. O presidente do Reage, indago por este jornal a respeito do valor escolhido respondeu que foi uma grande vitória, mas o valor menor seria melhor.

Últimos Vídeos

Carregando...

Charge

Publicidade

Publicidade

Arquivos

Publicidade