Select Page

Advertisement

Santa Casa de Araraquara realiza primeiro implante coclear da história da instituição



O procedimento é um dispositivo médico eletrônico para pessoas com perda auditiva de grau severo a profundo

Santa Casa de Araraquara realiza primeiro implante coclear da história da instituição

Publicidade

Advertisement

Com 116 anos completos, o último sábado (16) entrou para a história da Santa Casa de Araraquara. Os cirurgiões otorrinolaringologistas, Marcos Marques Rodrigues, Ricardo Nasser e suas equipes, com o acompanhamento do professor doutor Eduardo Tanaka, da USP de Ribeirão Preto, entraram no centro cirúrgico para realizar um procedimento de implante coclear, o primeiro do hospital.

O implante coclear é um dispositivo médico eletrônico para pessoas com perda auditiva de grau severo a profundo. Ele funciona transformando sons em estímulos elétricos, que são enviados diretamente ao nervo auditivo, substituindo parcialmente as células danificadas da cóclea. A ativação do implante é feita, em média, 30 dias após a cirurgia de colocação do implante.

Segundo o doutor Marcos, esta paciente apresenta perda auditiva bilateral, mas possui a fala, o que é muito importante quando se trata de um adulto. “Para que possamos realizar o procedimento em adultos, é importante que eles dominem a fala. Também temos a convicção de que é importante o paciente não ter expectativas muito altas, pois a realidade pós-implante muitas vezes não é aquela que ele imagina. Nesses casos eles vão ter que reaprender a ouvir”, explica o cirurgião.

O aparelho utilizado é um dos últimos modelos disponíveis no mercado internacional e que chegam ao Brasil. “Temos pouquíssimas pessoas implantadas com esse modelo até agora e, sem dúvidas, a Camila é uma das primeiras pessoas no Brasil a recebê-lo”, conta a Gerente de Suporte Clínico da Oticon Medical, empresa fabricante do aparelho, Fabiana Danieli.

A paciente, uma mulher de 40 anos, que nasceu deficiente auditiva e aos cinco anos de idade ganhou sua primeira possibilidade de entrar no mundo dos sons fazendo uso de um aparelho auditivo, já utilizou vários tipos e modelos de aparelhos, mas isso não foi capaz de fazer com que sua audição fosse recuperada ou mantida estabilizada. Gradativamente foi escutando cada vez menos, até perder completamente a audição.

“Estou muito ansiosa para ver o resultado. Só irei saber daqui um mês, mas me sinto preparada para conhecer os sons do mundo. Vivo no silêncio há 35 anos. Meu sonho é ouvir”, emociona-se a paciente, assistente de Recursos Humanos, Camila Palombo Maria de Andrade.

Doutor Marcos relembra sua trajetória até chegar a este grande evento. “Eu não sou de Araraquara e, em 2010, a Santa Casa foi o hospital que me acolheu, me ajudou muito e foi aqui que encontrei apoio para seguir minha caminhada. Quando cheguei ao centro cirúrgico não tinha nada disso e, hoje, ao ver a Santa Casa renovada, com capacidade de fazer um procedimento dessa amplitude, é uma satisfação muito grande. Agradeço à diretoria, que sempre confiou no nosso trabalho, ao convênio São Francisco, enquanto instituição, por proporcionar este momento para nós, e também gostaria de lembrar que não faço a cirurgia sozinho, é a minha equipe como um todo que ameniza os sofrimentos dos nossos pacientes, dando uma qualidade de vida melhor, dentro do possível, para todos eles”, finaliza.

Últimos Vídeos

Loading...

Charge do Dia

  • Contas a pagar

Arquivos