Selecione a página

Mobiliário de papelão é tema de exposição no Centro de Artes e Ofícios

Matéria prima dos móveis criados é o papelão

Exposição reúne móveis de uso residencial criados por alunos de Design de InterioresNesta quinta-feira, dia 30, o Centro de Artes e Ofícios Judith Lauand é palco da exposição “Mobiliário Residencial de Papelão”, realizada pela Prefeitura de Araraquara, por meio da Secretaria Municipal da Cultura e Fundart. A entrada é gratuita e pode ser conferida até o dia 15 de julho, de segunda à sexta-feira, das 9 às 22 horas.

A exposição reúne móveis de uso residencial criados pelos alunos do curso de Design de Interiores do Centro de Artes e Ofícios. Os móveis foram desenvolvidos na disciplina “Introdução à História do Mobiliário”, sob orientação da professora Tatiana Marchetti Castro.

Os 32 alunos do curso estão divididos em oito grupos. Coube a cada um a produção de uma peça, porém a professora Tatiana lembra que alguns grupos se animaram com o trabalho e executaram mais de um móvel.

A matéria prima dos móveis criados é o papelão – com ele foi feita toda a função estrutural do móvel. O papel de presente ou o papel camurça, assim como as almofadas removíveis utilizadas, aparecem como “coadjuvantes”, a fim de dar acabamento aos produtos criados.

Tatiana conta que os alunos tiveram uma aula para desenvolver o projeto, outra para fazer uma maquete em escala reduzida, e duas para montar o móvel. Segundo ela, a maior dificuldade dos alunos era acreditar que seriam capazes de executar o projeto no tempo estipulado. Também, conseguir o material era outra dificuldade enfrentada. “Foi uma correria aos supermercados e lojas da cidade para conseguir caixas usadas”, conta.

De acordo com a professora, todos os móveis são avaliados para cumprir suas funções. “As cadeiras devem suportar até cem quilos. Testamos também adegas, estantes, mesas de centro e lateral, luminárias. As que não alcançaram um bom resultado terão notas baixas”. Tatiana lembra que os móveis produzidos fazem parte de um trabalho acadêmico e não há nenhuma intenção de serem comercializados. “Mas existem inúmeras empresas que comercializam este tipo de mobiliário, é muito comum”.

Com um resultado bastante expressivo e positivo, os alunos acabaram sendo convidados para montarem a exposição. “Eles adoraram e se surpreenderam com o resultado de suas produções. Quanto à exposição, não sabíamos que ela ia, de fato, ser realizada e, todos nós – professora e alunos – nos sentimos muito orgulhosos, afinal foi a primeira vez que eles colocaram a mão na massa e ficaram extremamente entusiasmados”.

“Tenho a certeza que o público se surpreenderá com os trabalhos, pois o grupo apresenta uma produção criativa e também de qualidade, com poucos meses de aula”, aponta a secretária municipal da Cultura, Euzânia Andrade. Segundo a secretária, os cursos implantados neste governo – no início de 2011, em Design de Interiores e Design de Moda, além do Técnico em Arte Dramática (todos estes cursos realizados numa parceria entre Prefeitura e Senac), apresentam trabalhos “surpreendentes”. “Moda também realizou uma exposição no Centro de Artes e Ofícios e os alunos do Técnico em Arte Dramática estiveram na Semana Luiz Antônio”, lembrou.

Euzânia enfatizou que “o prefeito Marcelo quer, a cada dia, que tenhamos oportunidades como essa do Centro de Artes, no sentido de formar jovens e interessados em cursos que possibilitem oportunidades diferenciadas no mercado de trabalho”.

Para a professora Tatiana, o curso de Design de Interiores muda o olhar dos alunos em relação à vida. “O nosso curso começa com uma introdução à história da Arte, que já descortina um universo totalmente novo a quase todos os alunos. Passamos pela história da arquitetura e a curiosidade vai aumentando – eles já nos contam que vão andando pela rua e olhando para cima. Ao chegar à história do mobiliário, a auto-estima dos alunos já está bastante elevada”, conta.

O contato com livros, periódicos e lojas de materiais de revestimento que mostram o mercado de luxo, é uma das formas que os alunos encontram para estarem atualizados com o mercado. Nesta semana, os alunos irão visitar a Casa Cor, em São Paulo – atividade que também complementa os ensinamentos de sala de aula. “As questões estéticas vão ficando claras para nossos alunos”, analisa Tatiana. “Desenvolver o móvel de papelão foi apenas o primeiro desafio. Agora, nossa ideia é continuar a produção, diversificando com luminárias, mobiliário de garrafas pet, montando ambientes e por aí vai”.

O maior problema dos grupos, segundo a professora, acontece agora, no final do trabalho, quando as peças estão prontas: é o destino dado ao móvel confeccionado. “Os alunos já estão brigando entre si, para ver quem ficará com cada peça”, brinca.

SERVIÇO:
Exposição “Mobiliário Residencial de Papelão”
Local: Centro de Artes e Ofícios Judith Lauand (Rua Andrelino Alves Pinto, 170 – Vila Xavier – fone: 3336-8047)
Período: de 30 de junho a 15 de julho
Horário de visitação: 9 às 22h (segunda à sexta-feira)
Realização: Prefeitura de Araraquara (Secretaria Municipal da Cultura e Fundart)
Entrada gratuita

Últimos Vídeos

Carregando...

Charge

Publicidade

Publicidade

Arquivos

Publicidade