Select Page

Da cana tudo se aproveita



Raízen e Geo Energética anunciam joint venture para construção de planta de biogás

José A Silva

Sem a emissão de CO2 a Raízen, uma das empresas de energia mais competitivas do mundo, que usa todos subprodutos da cana-de-açúcar sem poluir a atmosfera, anunciou o seu novo projeto de R$ 150 milhões. Na manhã de ontem, em Guariba na unidade Bonfim, ocorreu o lançamento da pedra fundamental da planta de biogás. A placa foi descerrada por Luiz Henrique Guimarães, presidente da Raízen, e Alessandro Gardemann diretor da GEO Energética.

No evento foi anunciada a joint venture com a Geo Energética para criação da primeira planta no mundo em escala comercial a utilizar a tecnologia de conversão da torta de filtro em biogás. A operação terá foco na geração de eletricidade utilizando a torta de filtro e a vinhaça – subprodutos da cana-de-açúcar -, como matéria-prima e consolida o posicionamento da Raízen como player integrado de energia, reforçando o pioneirismo da empresa em ações de inovação e desenvolvimento do setor com foco em energias limpas e renováveis. Segundo dados preliminares da RenovaCalc, o biometano reduz em 96% as emissões de CO2, sem contar a diminuição de emissão de partículas poluentes, e chega a ser 90% inferior em comparação aos combustíveis fósseis. Esses valores são equivalentes à classificação EURO 6, nível máximo da norma europeia de regulamentação que visa a diminuição da emissão de poluentes de veículos movidos a diesel. Uma tecnologia mais limpa, sustentável, com benefícios para o consumidor e para o meio ambiente.

A Raízen terá participação de 85% das ações na joint venture e a Geo Energética 15%. A Geo Energética é atualmente a única empresa a utilizar a torta de filtro e a vinhaça de cana como fontes para obtenção do biogás e geração de energia, em uma planta demonstração com capacidade instalada de geração de até 4MW de energia. A combinação da torta de filtro com a vinhaça para obtenção do biogás na nova planta permitirá uma produção de 138 mil MWh por ano, suficiente para abastecer, por exemplo, o município de Guariba e as cidades próximas, no interior paulista. Desses, 96 mil MWh serão vendidos dentro de um contrato de leilão de 2016, do qual a Raízen foi a vencedora, e o valor excedente de energia poderá ser negociado no mercado livre ou comercializado por meio de outros contratos.

 “Com essa iniciativa, a Raízen reforça seu pioneirismo em ações de inovação e desenvolvimento do setor com foco em energias limpas e renováveis, alinhadas a políticas públicas, como o RenovaBio. Com isso, consolidamos mais uma vez nosso papel como protagonistas da sustentabilidade por meio da economia circular, ao aproveitarmos todos os resíduos e insumos utilizados em nossos processos na geração de novos produtos. Dessa forma, contribuímos diretamente para o meio ambiente ao reutilizar resíduos industriais e criar produtos sustentáveis que ajudam a limpar a matriz energética brasileira”, explica João Alberto Abreu, vice-presidente executivo da área de Etanol, Açúcar e Energia da Raízen.

A planta conta ainda com parceria com a Sebigás/Cótica, empresa que será responsável pela construção de parte da biodigestão de vinhaça. A Sebigás/Cótica aporta sua experiência ao projeto, tendo construído mais de 70 plantas de biogás ao redor do mundo.

Entrada da unidade Bonfim localizada na cidade de Guariba

Últimos Vídeos

Loading...

Charge do Dia

Publicidade

Arquivos