Selecione a página

Artaban

Uns dizem que ele foi propositalmente desviado do caminho. Outros, contam que era alma diferenciada mesmo. Todos concordam, entretanto, com as grandezas de seu espírito. Esse era Artaban, o médico persa que se desfez de todos os seus bens e combinou encontrar-se com Gaspar, Melchior e Baltazar para, juntos, homenagear o Messias em Belém ( […]

Francisco Habermann*

Uns dizem que ele foi propositalmente desviado do caminho. Outros, contam que era alma diferenciada mesmo. Todos concordam, entretanto, com as grandezas de seu espírito. Esse era Artaban, o médico persa que se desfez de todos os seus bens e combinou encontrar-se com Gaspar, Melchior e Baltazar para, juntos, homenagear o Messias em Belém ( Palestina ) ( ano I ). Que teria acontecido com ele, o quarto rei mago?
A extraordinária história desta figura conhecida desde a antiguidade foi contada pelo escritor romancista americano Henry Van Dyke ( 1852 – 1933 ) e filmada em 1985 ( The Fourth Wise Man ), ficando famosa no mundo.

Uma lenda
Diz a lenda que Artaban combinara encontrar-se na madrugada acertada para a partida dos quatro sábios ( na antiguidade, chamados de magos – pelos seus saberes ). Seguiriam a luminosa estrela brilhante do oriente – visível e bem provável resultante da conjunção dos planetas Vênus-Júpiter – indicadora dos caminhos que levariam ao local de nascimento do Messias. Marcaram, os quatro, o local e momento da partida.
Consta que, antes, Artaban vendera todos os seus bens e adquirira três pedras preciosas: uma safira, um rubi e uma pérola com as quais pretendia presentear o Messias. No dia aprazado, ele selara os cavalos e partira para o encontro. No caminho, encontrou um mendigo abandonado e ferido na estrada; cuidou dele e deu-lhe toda a provisão que tinha. Quando chegou ao local combinado soube que a caravana já havia partido.

A viagem
Teria que enfrentar o deserto tentando alcançar os amigos e, para isso, gastou a safira na compra de camelos. Atravessou o deserto durante muitos dias e quando chegou a Jerusalém começou a procura do Enviado; escutou, numa casa pobre, o choro de criança. A mãe protegia-a por medo dos soldados de Herodes que eliminava a todas. Artaban postou-se à frente da porta do casebre e disse ao comandante que lá não havia crianças. Ofereceu o rubi para deixa-las sossegadas. A seguir, continuou sua busca pelo Rei, visitando as cidades vizinhas. Nelas, encontrou miséria, fome, sofrimento e desespero contínuo. Em cada momento ajudou conforme podia, mas a sequência de auxílios era interminável, tanto quanto sua procura pelo Messias. O tempo passou mas Artaban não desanimava.

Último tesouro
Seus cabelos branquearam com o tempo e um dia ouviu um tumulto nas ruas de Jerusalém. “Estão indo para o Gólgota”, disse alguém. “Dois ladrões serão crucificados e, junto, o Rei dos Judeus”, disseram. Artaban compreendeu que achara o Messias, finalmente. Ao seguir a multidão, viu uma jovem toda ensanguentada ser arrastada pelos soldados. Condoeu-se e ofereceu seu último tesouro pela sua libertação, a pérola. Procurou um abrigo para deixar a jovem em segurança.

A mensagem
A seguir, o céu escureceu e houve tremores de terra. Tão fortes que uma telha do improvisado abrigo lhe caiu na cabeça com ferimento fatal. Vendo seu fim se aproximar, Artaban tem um vislumbre de clarão tão intenso e ouve uma voz suave que veio dos céus: “Artaban! Quando viste alguém enfermo, deste socorro… Quando viste alguém com fome, deste de comer… Quando viste alguém com sede, deste de beber… Quando viste alguém condenado injustamente, deste a liberdade… Quando viste alguém a perigo, ofereceste ajuda! Em verdade, em verdade vos digo que quando fizeste tudo isso a um dos meus irmãos, foi para mim que o fizeste!”
Neste momento uma alegria radiante iluminou a face de Artaban. Um suspiro longo e aliviado saiu dos seus lábios. Aquela longa viagem de 33 anos, assim como a sua vida, terminara, mas o quarto mago finalmente encontrara o seu Rei ( adaptado ref. M. Valle –Ventura, S.C. Disponível em http://www.curaeascensao.com.br ).
FELIZ NATAL a todos.

*Membro correspondente da Academia Botucatuense de Letras e colaborador deste jornal.
fhaber@uol.com.br

Últimos Vídeos

Carregando...

Charge

Publicidade

Publicidade

Arquivos

Publicidade